Associação

Missão

A Trienal de Arquitectura de Lisboa é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é investigar, dinamizar e promover o pensamento e a prática em arquitetura, realizando a cada três anos um grande fórum de debate, reflexão e divulgação que cruza fronteiras disciplinares e geográficas.
 A primeira Trienal, Vazios Urbanos, realizou-se em 2007 com um programa de exposições, concursos e conferências internacionais que envolveu 52 000 visitantes e participantes. Em 2010, na sua segunda edição, Falemos de Casas consolidou a presença da Trienal no circuito dos eventos dedicados à arquitetura, atraindo 154 357 pessoas. A partir da sua nova sede no Palácio Sinel de Cordes, onde está a ser criado um cluster criativo, a Trienal organiza também os eventos do programa Intervalo, o qual decorre entre cada edição do evento Trienal.



A Trienal de Arquitectura de Lisboa foi distinguida nas suas três edições (2007, 2010 e 2013) com o Alto Patrocínio de S. Exa. O Presidente da República, tendo sido conferido, desde 2010, pelo Ministério da Cultura, o estatuto de Interesse Cultural.

Palácio

A Trienal é o primeiro elemento de um programa mais vasto que passará a funcionar a partir do Palácio Sinel de Cordes situado no Campo de Santa Clara (à Feira da Ladra), o qual é cedido pela Câmara Municipal de Lisboa, no âmbito da estratégia da criação de um pólo criativo. Prosseguimos assim com a missão de fomentar o debate entre os diferentes grupos envolvidos na conceção, programação, prática e crítica de arquitetura, arquitetura paisagista e urbanismo, sejam arquitetos, artistas, estudantes de arquitetura, filósofos, economistas, jornalistas, antropólogos, políticos e autores de todo o país.

O Palácio Sinel de Cordes é uma construção palaciana de meados de setecentos mandada construir pela família Sinel de Cordes, que segundo os genealogistas consultados provém de uma nobreza flamenga chegada a Portugal no início do século XVII.

Em meados do século XIX o imóvel é adquirido pelo Dr. José Correia Godinho da Costa. No início do século XX funcionava no Palácio a Legação de Itália, época em que ocorreu um violento incêndio que destruiu grande parte do seu interior, posteriormente reconstruído. A partir dos anos 30 passaria a funcionar no palácio uma escola primária, ocupação que se prolongou até 2006. Fechado desde então, o Palácio Sinel de Cordes veio a ser redescoberto no início de 2012 com a chegada da Trienal.

 

Reabilitação, Conservação e Restauro do Palácio Sinel de Cordes

Equipa Técnica / Parceiros Técnicos

Arquitetura e Coordenação Geral
FSSMGN arquitectos lda
Margarida Grácio Nunes, Arquiteta

Estruturas e Diagnóstico Estrutural
A2P – Consult, Estudos e Projectos, Lda.
João Appleton, Engenheiro Civil

Arquitetura Paisagista
GLOBAL – Arquitectura Paisagista, Lda.
João Gomes da Silva, Arquiteto Paisagista

Redes de Água, Incêndio e Águas Residuais
ECOSERVIÇOS – Gestão de Sistemas Ecológicos, Lda.
João de Quinhones Levy, Engenheiro Civil Sanitarista

Instalações Eléctricas, Telecomunicações e Segurança
Comportamento Térmico
EACE – Engenheiros Associados Consultores em Engenharia, Lda.
João Caxaria, Engenheiro Electrotécnico

Estudo Histórico
José Monterroso Teixeira, Museólogo e Historiador

Sondagens e Diagnóstico Construtivo, Conservação e Restauro
ARGO | Arte, Património & Cultura
Miguel Cordeiro, Arquiteto
Pedro Serra, Conservação e Restauro

Fotografia de Arquitetura
FG+SG fotografia de arquitectura
Fernando Guerra
Sérgio Guerra

Medições e Orçamento
DIBATO – Medição e Certificação
António Pyrrait


Colaboradores

Levantamento
(com o apoio de André Flores Ribeiro)
Ana Cristina Duarte, Maria Beatriz de Vilhena, Mariana Fernandes Marques, José Maria Gonçalves Vieira, Leonardo Semedo, Pedro Sacramento, Rodrigo Gorjão Henriques, Tomás Cruz e Vasco Lima Mayer.

Projeto
Nuno Castro Caldas, Ana Cristina Duarte, José Maria Gonçalves Vieira, Maria Freire de Andrade, Rodrigo Gorjão Henriques eTomás Cruz

Modelos e Maquetas
Nuno Castro Caldas, Ana Cristina Duarte, Emanuela Mendes, João Pedro Cavaco, José Maria Gonçalves Vieira, Márcia Saldanha, Renato Monteiro, Rodrigo Gorjão Henriques e Tomás Cruz


Para ser parceiro da reabilitação do Palácio contacte:
Sara Battesti
+351 21 346 7378
+351 96 234 0165

 

 

Equipa Executiva

Contactos


Manuel Henriques
Diretor Executivo

Lisboa, 1975. Foi consultor nas áreas de Arquitetura e de Design na Direcção-Geral das Artes do Ministério da Cultura de 2003 a 2010, onde coordenou as representações oficiais portuguesas nas bienais de Arquitetura de Veneza e São Paulo. Produziu as exposições Siza Modern Redux em São Paulo e Arquiteturas em Palco na Quadrienal de Praga. Presidiu a inúmeras comissões de apreciação dos Programas de Apoio financeiro a Projetos Artísticos. Colaborou com Inês Lobo Arquitetos, foi produtor na Associação Experimenta e estagiou nos Diener & Diener Architekten Basel.  Co-comissariou e produziu duas exposições de arte contemporânea portuguesa em São Francisco, enquanto co-dirigiu a Galeria ZDB. Trabalha em várias frentes de criação e produção, colaborando regularmente com arquitetos, artistas, cineastas e performers, como interveniente ativo, em palco ou nos bastidores.
 

Ana Fernandes
Assistente de Direção

New Bedford - EUA, 1983. Em 2003 concluiu o Curso de Iniciação ao Teatro no CITAC onde colaborou como produtora e atriz. Terminou a Licenciatura em Estudos Artísticos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra em 2005. Colaborou com os Artistas Unidos entre 2008 e 2011 na produção dos espetáculos, exposições e filmes documentais sobre artistas e na assessoria de imprensa. Em 2009 trabalhou na Plural Entertainment como Assistente da Administração e do Departamento de Conteúdos. Integra a equipa executiva da Trienal de Arquitectura de Lisboa desde 2011, onde é Assistente de Direção.


Maria Schiappa
Diretora de Comunicação

Lisboa, 1969. É licenciada em Hotelaria e Turismo pelo Instituto Superior de Novas Profissões. Estagiou e trabalhou como Relações Públicas no Lisboa Sheraton Hotel & Towers. Desenvolveu trabalho na área da comunicação e assessoria de imprensa para diversas estruturas, entre as quais se destacam, Fundação das Descobertas/Centro Cultural de Belém, Galeria Luís Serpa Projectos, Artistas Unidos - Produção e Realização de Teatro e Cinema, Duplacena/Festival Temps d'Images,  Direcção-Geral das Artes, Orchestrutopica, Orquestra de Câmara de Música Contemporânea e Projeto Movimentos Perpétuos - Carlos Paredes. É Coordenadora do Departamento de Comunicação e Imprensa da Trienal de Arquitectura de Lisboa desde 2010.


Isabel Antunes
Produtora

Aveiro, 1976. Frequentou o curso de Arquitetura de Design, pela Faculdade de Arquitectura, Universidade Técnica de Lisboa. Desde 1998 que tem vindo a exercer atividade na produção e gestão de projeto, em especial nas áreas de design expositivo, design de produto, interiores e artes plásticas. Durante vários anos foi gestora de projetos na Cenycet, onde também acompanhou a produção e montagem de eventos, a produção e implementação de mobiliário específico e de autor, espaços comerciais e cenografia de publicidade e televisão. Enquanto designer, desenvolveu projetos de interior para empresas na área do som profissional como MK2 e Dizplay. Colaborou em diversas ocasiões com vários designers industriais, onde se destacam projetos para a Associação Moda Lisboa com Miguel Vieira Baptista. Foi produtora executiva de eventos, destacando-se a exposição de design industrial “97”, com o apoio da Galeria Cristina Guerra e a exposição de artes plásticas “Terminal”, promovida pela Associação Plano 21. Foi responsável pela produção executiva e gestão administrativa e financeira do projeto “Lápis”, comissariado pela designer Miguel Vieira Baptista. Colaborou também, enquanto produtora, em várias edições da Bienal experimentadesign.


Liliana Lino
Assistente de Produção

Santa Maria da Feira, 1989. Licenciada em Design de Interiores e Equipamento pela Escola Superior de Artes Aplicadas, Instituto Politécnico de Castelo Branco. Participou no Programa Erasmus no Politécnico de Milão e estagiou na Neil Wilson Design, em Newcastle Upon Tyne, Inglaterra. Atualmente a frequentar o Mestrado em Museologia e Museografia da Faculdade de Belas Artes, Universidade de Lisboa, integra desde Novembro de 2012 a equipa executiva da Trienal enquanto projeto de estágio do referido Mestrado. 


Sara Battesti
Financiamento e Parcerias

Lisboa, 1972. Licenciada em Relações Públicas e Publicidade (INP) inicia o percurso profissional na Alta Costura (Thierry Mugler) em Paris. Regressa a Portugal, primeiro como Planeadora de Meios, depois na qualidade de Estratéga e supervisora de Contas numa agência de publicidade para diversos clientes dos quais se destaca a Beiersdorf e a Volvo. Em 2003 integra a equipa da Bienal experimentadesign (EXD) como coordenadora do departamento de comunicação colaborando nos mais diferentes projetos, editoriais, concursos (DW 2.0) e projetos expositivos (Linha D’água, Transit, Digressão Nacional Voyager). Em 2008, é responsável da estratégia de comunicação para o lançamento da Bienal em Amesterdão trabalhando com estúdios de design internacionais (Kessels Kramer, The Designers Republic), e o relançamento da EXD com a exposição retrospectiva de Peter Zumthor. Até meados de 2012, integrou a equipa da experimentadesign, colaborando pontualmente na divulgação das exposições e festivais da associação POGO.


Patrícia Marques
Coordenadora Lisboa Open House

Licenciada em Arquitetura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa (1999) e Mestre em Estudos Curatoriais (dissertação “A arquitectura em exposição”) pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (2009). Foi bolseira Erasmus na École Nationale Supérieure d’Architecture de Paris La Villette (1998) e venceu o prémio Arquitetura Jov’Arte 97 da Câmara Municipal de Loures. Iniciou a atividade profissional em 1999, no escritório holandês De Zwarte Hond e em 2000 inicia a colaboração no escritório Aires Mateus e Associados, em Lisboa, que deixa em 2009, para trabalhar em regime independente em colaborações variadas, com outros arquitetos, engenheiros, paisagistas, designers e artistas plásticos. Em 2010 funda o atelier site specific – arquitectura, lda. Colabora com a Trienal como coordenadora do evento Lisboa Open House.

Direcção

José Mateus
Presidente

Licenciou-se em Arquitetura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa (FAUTL), em 1986. Fundou, com Nuno Mateus, a ARX Portugal em 1991. É Presidente do Conselho Diretivo da Trienal de Arquitectura de Lisboa e foi Diretor Executivo da Trienal 2007 e 2010. Foi presidente da Assembleia Regional Sul da Ordem dos Arquitectos no triénio 2008-2010 e vice-presidente da Direção da mesma Secção Regional no triénio 2005-2007.  É atualmente professor associado convidado de Projecto II de Arquitetura no Instituto Superior Técnico de Lisboa, tendo sido também docente na Escola Superior de Artes Decorativas de Lisboa (ESAD), no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e Empresa (ISCTE), e professor convidado na Escola Superior de Arquitectura da Universidade Internacional da Catalunha (UIC-ESARQ), em Barcelona. Em 1993, o trabalho da ARX foi objecto da Exposição “Realidade Real” no CCB e integrou inúmeras outras, nomeadamente a “Percurso/ Útvonal – ARX Portugal” (Budapeste, 2000), a “Influx 0.1” (Fundação de Serralves, 2002), a “Contaminantes/Comunicantes” (Lisboa, 2000) e a Trienal de Nara (1994). Com o Centro Regional de Sangue do Porto, integrou a exposição “Architettura e Design del Portogallo 1998-2004” da Trienal de Milão. Os projectos da ARX foram objecto de inúmeros prémios, menções e nomeações.


Nuno Sampaio
Vice-Presidente

Licenciou-se em Arquitetura pela Universidade Lusíada do Porto em 1997. Realizou trabalho profissional no Centro de Estudos da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto em 1998. É Mestre pela Escola Técnica Superior de Arquitetura de Barcelona da Universidad Politécnica de Catalunya, com trabalhos realizados em Veneza e Nápoles sob coordenaçãoo de Eduard Brú (1999). Em 2000 funda o atelier Nuno Sampaio, Arquitetos. Professor convidado da Universidad Politécnica de Catalunya. Comissariou exposições e foi conferencista em diversas escolas e instituições. Atualmente é Membro Eleito do Conselho Nacional de Delegados da Ordem dos Arquitectos e Membro da Direção da Casa da Arquitectura. Diretor da Estratégia Urbana.


José Manuel dos Santos
Vogal

Licenciado em Engenharia Mecânica pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (1978). No seu percurso profissional, tem passado por várias empresas e associações empresariais como a Associação Empresarial de Portugal, CIP –  Confederação da Indústria Portuguesa, Associação Industrial Portuense, Associação dos Industriais  Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal, Exponor, Europarque, entre outras. É Vice-Presidente da Assembleia Geral da AEP (desde 2008). Exerce atualmente as funções de Diretor da Fundação EDP e é colunista do jornal Expresso.


Maria Dalila Rodrigues
Vogal

Doutorada em História da Arte pela Universidade de Coimbra (2001), é professora e investigadora especializada em História da Pintura Portuguesa, autora e coordenadora de edições de arte. Integrou equipas de investigação, colaborou no estudo, gestão e divulgação do património artístico português com as instituições e organismos de tutela, em Portugal e no estrangeiro. Proferiu conferências e participou em reuniões científicas em Portugal e no estrangeiro. Comissariou exposições de arte antiga e contemporânea. Foi Diretora do Museu Grão Vasco (2001-2004), do Museu Nacional de Arte Antiga (2004-2007) e da Casa das Histórias Paula Rego (2009-2010). Exerceu o cargo de Diretora de Comunicação, Marketing e Desenvolvimento da Casa da Música, em 2008. É atualmente vogal do conselho de administração do Centro Cultural de Belém.


Pedro Araújo e Sá
Vogal

Chief Investment Officer (CIO) na Cofina Media, tem a responsabilidade no âmbito da Comissão Executiva pela área digital do grupo, pela unidade de jornais gratuitos e pelos novos investimentos. Com a gestão executiva da unidade de jornais gratuitos, promove a internacionalização do jornal Destak lançado em São Paulo em 2006 estando atualmente já em 6 cidades brasileiras. Trabalhou na assessoria financeira e estratégica em diferentes setores de atividade, como a área financeira (Ibersá, Investec, Metalgest - holding do Grupo José Berardo), indústria cimenteira (Cimpor), media (Lusomundo Media) e governo (Ministério da Economia, Ministério das Finanças). É licenciado em Gestão de Empresas pelo Instituto Superior de Gestão (ISG), com especialidade em Finanças. Tem uma pós-graduação em Gestão e Operações Financeiras pela mesma instituição sendo convidado a participar em vários Seminários e Conferências.

Conselho Fiscal


Sérgio Paulo Jacob Figueiredo
Presidente


Miguel Luís Cortês Pinto de Melo
Vice-Presidente


José Miguel Alecrim Duarte
Vogal

Conselho Consultivo

Álvaro Siza Vieira

É um dos nomes mais conhecidos da arquitetura portuguesa e uma referência mundial. Formado pela Escola Superior de Belas Artes do Porto entre 1949 e 1955, a sua primeira obra construída data de 1954. Com quase 6 décadas de atividade ininterrupta e um portfólio que abarca diferentes tipologias e funções em inúmeros países, a sua carreira é unanimemente reconhecida pelo público e pelos seus pares, tendo-lhe valido prémios como o Priztker Award (1992), a Medalha de Ouro da Alvar Aalto Foundation, a Medalha de Ouro da RIBA (2009) e mais recentemente o Leão de Ouro, da Bienal de Arquitectura de Veneza (2012). Doutor honoris causa pelas mais prestigiadas universidades em Portugal, Espanha, Brasil, Itália, entre outros, Álvaro Siza desenvolveu atividade docente e de conferencista durante vários anos e por todo o mundo. Vive e trabalha no Porto.


Ana Tostões

Formada pela ESBAL e mestre pela Universidade Nova de Lisboa,  é doutorada pelo Instituto Superior Técnico e presidente do Docomomo Internacional. O seu tema de pesquisa é a arquitetura e a cidade modernas focado numa visão operativa de uma história apostada na reabilitação do património moderno, tendo publicado artigos científicos, coordenado publicações e organizado exposições em Portugal e no estrangeiro. Tem realizado conferências em universidades de todo o mundo e participou em júris de vários prémios. É membro do ICOMOS, foi assessora científica do IPPAR e é crítica de Arquitetura no Jornal Público. Foi vice-Presidente da Secção portuguesa da AICA e é Vice-Presidente da Ordem dos Arquitectos. Em 2006 foi agraciada pelo Presidente da República com o grau de comendador da Ordem do Infante D.Henrique.

 

António Mega Ferreira

Estreou-se no jornalismo em 1968, tendo desde essa altura colaborado com diversas publicações como o Expresso, Jornal de Letras, RTP2, Diário Económico, Diário de Notícias, O Independente, Público e Visão. Foi diretor editorial da Círculo de Leitores, entre 1986 e 1988, tendo criado a revista LER, que também dirigiu. Integrou a Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos, tendo dirigido a candidatura de Lisboa à Exposição Mundial de 1998. Foi presidente do Conselho de Administração da Parque Expo, de 1999 a 2002. Foi presidente do Conselho de Administração da Fundação Centro Cultural de Belém entre 2006 e 2011. Autor de vários livros, iniciou a sua carreira literária em 1984, tendo publicado obras de ficção, poesia e ensaio.


António Mexia

Licenciado em economia pela Universidade de Genebra (Suíça), foi Adjunto do Secretário de Estado do Comércio Externo, vice-presidente do conselho de administração do Instituto do Comércio Externo (91-92)  e administrador do Banco Espírito Santo de Investimento, S.A. (92-98). Em 1998, foi nomeado CEO da Gás de Portugal e da Transgás,  e posteriormente da Galp Energia (01-04)  bem como presidente do conselho de administração da Petrogal, Gás de Portugal, Transgás e Transgás-Atlântico. Em 2004, foi nomeado Ministro das Obras Públicas, dos Transportes e das  Comunicações. Entre 1999 e 2002, foi presidente da Associação Portuguesa de Energia. Em Março de 2006 foi nomeado CEO da EDP-Energias de Portugal.
 

António Pinto Ribeiro

Formado nas áreas de Filosofia, Ciências da Comunicação e Estudos Culturais, onde tem desenvolvido o trabalho de investigação e de produção teórica publicado em revistas da especialidade. É professor-conferencista de várias universidades internacionais. Tem tido uma prática de programação artística e de gestão cultural com a organização de vários programas, festivais e exposições nacionais e internacionais, nomeadamente na Culturgest e Fundação Calouste Gulbenkian. A sua extensa obra publicada inclui títulos nas áreas da dança contemporânea, crítica e estética.


Augusto Mateus

Economista e professor do ISEG, lidera múltiplos estudos de macroeconomia e política económica, de avaliação de programas e políticas públicas e de competitividade de empresas e regiões. Secretário de Estado da Indústria e Ministro da Economia do XIII Governo Constitucional, lançou o plano de regularização de dívidas ao Estado também conhecido como Plano Mateus. No domínio da reforma administrativa, coordenou o projeto de investigação que baseou o novo modelo de governação de Lisboa.


Bernardo Futscher Pereira

Mestre em Ciências Políticas e em Relações Internacionais pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque. Trabalhou como jornalista antes de ingressar no Ministério dos Negócios Estrangeiros em 1987. Como diplomata, esteve colocado em Tel Aviv, em Bruxelas, em Barcelona e no ministério da Defesa Nacional. Entre 1999 e 2006, foi assessor para as Relações Internacionais do Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio. Publicou numerosos artigos sobre política externa, história diplomática e política internacional. É embaixador de Portugal em Dublin desde Abril de 2012.


Delfim Sardo

Curador, docente universitário e ensaísta, vive e trabalha em Lisboa. Professor de História de Arte Moderna e Contemporânea, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, foi Comissário Geral da Trienal de Arquitectura de Lisboa 2010, Diretor do Centro de Exposições do Centro Cultural de Belém (2003 - 06), consultor da Fundação Calouste Gulbenkian (1997 – 2003), e Comissário da Representação Portuguesa da 48ª Bienal de Veneza (99).


Eduardo Souto Moura

Nasceu no Porto em 1952. Frequentou o curso de Arquitetura na Escola Superior de Belas Artes do Porto e na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. No decurso da sua carreira estudantil colaborou no atelier de Álvaro Siza Vieira entre 1974 e 1979. Em 1981 foi nomeado assistente do curso de Arquitetura da FAUP, instituição onde lecionou até 1990 e à qual regressou, mais tarde, em 2003.
Durante os anos oitenta e noventa do século XX foi professor convidado de diversas faculdades e escolas de Arquitetura europeias. Tem inúmeras obras espalhadas pelo país e fora dele. Em 2011, foi galardoado com o Prémio Pritzker de Arquitetura.


Fernanda Fragateiro

Vive e trabalha em Portugal. As suas intervenções escultóricas e arquitetónicas em espaços inesperados e alterações subtis nas paisagens existentes revelam histórias ocultas de construção e transformação. A sua obra já figurou na Dublin Contemporary 2011, Trienal de Arquitectura de Lisboa (2010) e inúmeras instituições como Fundación Marcelino Botín; IVAM; Centro Cultural de Belém; Centro Galego de Arte Contemporánea; Serralves Foundation;  Culturgest; Fundació 'La Caixa' e Künstlerwerkstatt.

Francisco Capelo

Economista de formação, é colecionador de peças de Design. Tem a sua vasta coleção exposta no MUDE - Museu do Design e da Moda, em Lisboa.


Gonçalo Byrne

Forma-se em Arquitetura na ESBAL em 1968. Autor de uma vasta obra, várias vezes premiada e publicada nacional e internacionalmente, é Doutor Honoris Causa, pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa. Recebe, entre muitos outros, o prémio A.I.C.A. / S.E.C. pelo conjunto da obra realizada e a Medalha de Ouro da Academia de Arquitetura de França. Tem uma carreira de docência na área de projeto, como professor convidado em universidades, das quais se destacam as de Coimbra, Lausanne, Venezia, Mendrisio, Louvaina, Harvard e Pamplona.

 

Goncalo M. Tavares

Escritor português, nasceu em 1970. Estão em curso  traduções com edição em quarenta e cinco países. Os seus livros deram origem, em diferentes países, a peças de teatro, peças radiofónicas, curtas metragens e objectos de artes plásticas, vídeos de arte, ópera, performances, projectos de arquitectura, teses académicas, etc. Em Portugal recebeu vários prémios entre os quais o Prémio José Saramago 2005 e o Prémio LER/Millennium BCP 2004, com o romance - "Jerusalém" (Caminho); o Grande Prémio de Conto da Associação Portuguesa de Escritores "Camilo Castelo Branco" com "água, cão, cavalo, cabeça" 2007(Caminho). Prémio Branquinho da Fonseca/Fundação Calouste Gulbenkain com "O Senhor Valéry", Prémio Revelação APE com "Investigações. Novalis", - GRANDE PRÉMIO ROMANCE E NOVELA da Associação Portuguesa de Autores, 2011 PRÉMIOS INTERNACIONAIS: Prémio Portugal Telecom 2007 (Brasil).  Prix Du Melleur Livre étranger 2010 (França), Premiado no Portugal Telecom (Brasil, 2011), entre outros.

 


João Gomes da Silva

Formado em Arquitetura Paisagista, foi docente da Universidade de Évora e da Universidade Autónoma de Lisboa. Co-fundador da Global Landscape Architecture em 1997, o seu trabalho tem sido reconhecido com inúmeros prémios, incluindo o prémio Schinkel de arquitetura paisagista com Inês Norton e João Mateus (91) Prémio Valmor, FAD (’07) e Piranesi, em 2010, com João Luís Carrilho da Graça.


João Fernandes

Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto em 1985. Entre 1987 e 1995 foi professor e investigador de Estudos Linguísticos no Instituto Politécnico do Porto. Entre 1992 e 1996 organizou, como comissário independente, várias exposições em Portugal, Espanha e França. Entre 1996 e 2003 ocupou o cargo de Diretor Adjunto do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, tendo sido nomeado Diretor em 2003. Em 2012 toma posse como subdiretor de Pesquisa, Conservação e Divulgação do Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia, em Madrid.


João Luís Carrilho da Graça

Licenciado pela ESBAL em 1977, lecionou nas Universidades Técnica e Autónoma de Lisboa e na Universidade de Évora, a par de seminários, conferências e semestres de docência em inúmeras escolas. Premiado pela associação internacional dos críticos de arte em 1992 pelo conjunto da sua obra, ganhou vários prémios entre os quais o Prémio Secil 1994, Prémio Valmor 1998 e Grande Prémio do Júri FAD”1999  e o seu trabalho encontra-se publicado extensamente. Foi distinguido com a Ordem de Mérito da República Portuguesa em 1999.

 

João Pinharanda

Historiador de arte, crítico de arte e comissário, é atualmente Curador da Fundação EDP.


João Belo Rodeia

Licenciou-se em Arquitetura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa em 1984. Presidente da Ordem dos Arquitectos e do respectivo Conselho Diretivo Nacional desde Março de 2008. Presidente do CIALP/ Conselho Internacional dos Arquitectos de Língua Portuguesa, desde Novembro de 2011. Foi Presidente do IPPAR entre 2003 e 2005. Foi Membro da Secção das Artes do Conselho Consultivo de Cultura (Ministério da Cultura) entre 2010 e 2011, do Conselho Consultivo de Obras Públicas (Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações) entre 2009 e 2011, do Grupo de Trabalho sobre Política Nacional de Arquitectura e Paisagem (Ministério do Ambiente) entre 2009 e 2011, e do Conselho Reitor da Bienal Ibero-Americana de Arquitectura e Urbanismo. Mantém atividade como docente universitário desde 1984 e como conferencista desde 1989. É comissário e programador nos âmbitos da arquitetura desde 1998. Desde 1991 mantém atividade crítica regular com inúmeros textos publicados em livros, catálogos e revistas especializadas.


Jorge Gaspar

É geógrafo e professor catedrático. Licenciou-se em Geografia na Universidade de Lisboa em 1965, e doutorou-se, na mesma Universidade em Geografia Humana. Foi o vencedor do prémio Universidade de Lisboa 2009/2010 e recebeu, em 2010, a Ordem do Infante D. Henrique. Também recebeu graus honoris causa das Universidades de Leon (1995), Genebra (2001) e Évora (2010). Tem publicados vinte e nove livros e cerca de duzentos e cinquenta artigos científicos.


Jorge Sampaio

Licenciou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. De 1979 a 1984 é membro da Comissão Europeia dos Direitos do Homem no Conselho da Europa, sendo reeleito deputado à Assembleia da República em 1980, 1985, 1987 e 1991. Em 1987/88 é Presidente do Grupo Parlamentar do Partido Socialista e é eleito Secretário-Geral do Partido Socialista em 89, cargo que exerce até 1991. Em 1989 é eleito Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, cargo para o qual é reeleito em 1993. É eleito Presidente da República em 1996 e reeleito em 2001. Em Abril de 2006 tomou posse como Conselheiro de Estado e foi igualmente designado Enviado Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Luta contra a Tuberculose. Em Abril de 2007, foi nomeado Alto Representante para a Aliança das Civilizações pela ONU. É Grande-Colar da Ordem da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito e da Ordem da Liberdade e, Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, a que se somam inúmeras condecorações estrangeiras.


José Monterroso Teixeira

Professor convidado do Departamento de Arquitetura da Universidade Autónoma de Lisboa. Especialista da História da Arquitetura Barroca em Portugal. Autor de diversas obras sobre História da Arte e História da Arquitetura. Tem investigado e publicado sobre programas construtivos portugueses emblemáticos como a Capela Real do Paço de Vila Viçosa ou o Teatro Nacional de São Carlos. Comissário da Exposição “O triunfo do barroco” que representou Portugal na Europália de 1991. Foi Diretor do Centro de Exposições do Centro Cultural de Belém de 1993 a 1996 e do Museu da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva. De 2002 a 2006, foi Diretor Municipal de Cultura da Câmara Municipal de Lisboa.


Luís Sáragga Leal

Sócio Fundador da Sociedade de Advogados PLMJ. Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, 1968; Inscrito na Ordem dos Advogados Portuguesa desde 1970. Vice-Presidente do Conselho Geral da Ordem dos Advogados (1984-1986). Delegado Nacional para o C.C.B.E. (Commission Consultative des Barreaux de la Communauté Européenne), 1983. Membro das seguintes Associações Profissionais: Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados (1978-1980); Conselho Geral da Ordem dos Advogados (1981-1983); IBA - International Bar Association (Tax Committee); Union Internationale des Avocats; IFA - International Fiscal Association; Secção Portuguesa da Comissão Internacional de Juristas; Honorário da Florida Bar Association; Presidente do Instituto das Sociedades de Advogados da Ordem dos Advogados (2005).


Manuel Graça Dias

Licenciado pela ESBAL e doutorado pela FAUP em 2009, lecionou em Portugal e em Itália, tendo  iniciado a carreira profissional em Macau, como colaborador do Arqt.º Manuel Vicente. Vive e trabalha em Lisboa onde criou, em 1990, o atelier Contemporânea, com Egas José Vieira, com quem recebeu o Prémio AICA/Ministério da Cultura, pelo conjunto da obra (1999). Diretor do JA-Jornal Arquitectos (09-11), órgão da Ordem dos Arquitectos (cuja direção também assumiu em 2000-2004), sendo, ainda, Presidente da Secção Portuguesa da AICA (desde 2008). Foi agraciado pelo Presidente da República Portuguesa com o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.


Manuel Mateus

Licenciou-se em Arquitetura pela FAUTL em 1986 e lecionou na Graduate School of Design, Harvard University (EUA); na Fakulteta za Arhitekturo, Universa V Ljubljani, Ljubljana e na Accademia di Architectura, Mendrízio, bem como em inúmeras universidades portuguesas sendo Professor Catedrático na Universidade Lusíada, Lisboa, desde 1997. A sua atividade de conferencista estende-se a todo o mundo, a par da participação em exposições e dos inúmeros prémios que marcam a sua carreira.


Manuel Pinho

É professor convidado no SIPA desde 2011 e Senior Fellow no Jackson Institute. Dirige o MBA em Energia Internacional no Lisbon Institute, é Vice-Presidente do BES Africa, consultor internacional senior da Roland Berger Strategy Consultants e membro do Comité Consultivo da Gamesa. Entre 2005 e 2009 foi Ministro da Economia e da Inovação e membro do Parlamento. Em 2007, presidiu ao Conselho Europeu para a Energia e Competitividade. Foi autor do artigo paper Europe's New Energy Era, que inspirou o Plano Estratégico Europeu para a Energia.  Membro do conselho executivo do Banco Espírito Santo entre 94 e 04. Foi diretor-geral do Tesouro e Presidente da Junta do Crédito do Ministério das Finanças e nessa capacidade integrou o Comité Monetário da União Europeia. O seu currículo inclui ainda uma passagem pelo Fundo Monetário Internacional como economista.


Manuel Reis

Reconhecido empresário e colecionador, é fundador da Loja da Atalaia que tem desempenhado um papel fundamental na edição do trabalho de designers portugueses, bem como da apresentação e comercialização em Portugal de peças de grandes autores e marcas internacionais. Fundou na década de 80 o clube Frágil, a que se seguiu o restaurante Bica do Sapato e clube Lux que, pelo cuidado desenho de interiores e escolha criteriosa de equipamentos e peças, se tornaram referências no roteiro dos espaços emblemáticos da cidade de Lisboa.


Miguel Vieira Baptista

Formou-se em Design Industrial do IADE e detém uma Pós-Graduação em Product Design pela Glasgow School of Art. Ativo desde 94 nas áreas de design de Produto e de Interiores, colabrou com a Atlantis, Authentics, Asplund, ICEP, Loja da Atalaia, Vista Alegre, entre outros. Comissariou e concebeu o projeto da exposição Dieter Rams Haus (01), projetou o camião itinerante Voyager03 para a EXD (03) e desde 2002 projeta os interiores da ModaLisboa. É docente da ESAD Caldas da Rainha.


Miguel Von Hafe Pérez

Crítico de arte e comissário de exposições. Foi responsável pela área de Artes Plásticas e Arquitetura da Porto 2001, Capital Europeia da Cultura. Entre 2003 e 2005 foi comissário convidado no Centre d’Art Santa Mònica em Barcelona. Atualmente é o Diretor do Centro Galego de Arte Contemporánea, em Santiago de Compostela.

2016 4ª Edição

André Tavares e Diogo Seixas Lopes são os curadores gerais da edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa 2016

 

Para a Trienal 2016, a Direcção Curatorial será assumida pela dupla de arquitectos André Tavares e Diogo Seixas Lopes, residentes respectivamente no Porto e em Lisboa, e actualmente directores do Jornal Arquitectos. A excelência da actividade de ambos no campo académico (ambos doutorados), em projectos editoriais, curatoriais, no desenho de edifícios (no caso de DSL), bem como a extrema exigência e acutilância crítica que colocam nos projectos em que se envolvem, asseguram à Trienal as qualidades necessárias para assumirem a elevada exigência que se coloca nesta 4ª edição.

2013 Close, Closer

www.close-closer.com

Close, Closer, a 3ª edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, examinou as formas políticas, tecnológicas, emocionais e institucionais da prática espacial.

Durante três meses a equipa de curadores analisou as múltiplas possibilidades da produção arquitetónica através de exposições, eventos, performances e debates que decorreram em diversos espaços da cidade. O objetivo da curadora geral Beatrice Galilee e dos curadores José Esparza, Mariana Pestana e Liam Young foi proporcionar uma plataforma de debate e apresentar uma proposta alternativa para a compreensão da arquitetura enquanto forma de prática espacial. As exposições, conferências, palestras e projetos associados organizados pela equipa curatorial apresentaram ao público, e uma nova geração de arquitetos, este amplo e muitas vezes inexplorado campo.

Close, Closer apresentou três exposições, um programa público, uma série de publicações digitais, um prémio para estudantes, um Prémio Début para jovens arquitetos e um Prémio Carreira. Esta edição criou também um novo tipo de concurso, apelidado de Crisis Buster, que concede um número limitado de bolsas a equipas que apresentem ideias de projetos a curto ou a longo prazo para Lisboa.
 

2010 Falemos de Casas

www.trienaldelisboa.com/2010/pt

Falemos de Casas, a segunda edição da Trienal comissariada por Delfim Sardo, teve lugar entre 14 de Setembro de 2010 e 16 de Janeiro de 2011. O tema foi retirado de um verso de um poema de Herberto Helder e a ideia subjacente era a de debater a questão da habitação, tanto no sentido literal como no sentido mais amplo da habitação no mundo, incluindo os seus aspectos sociológicos e culturais.

Com um programa que incluiu 4 exposições, 1 conferência internacional e 4 concursos, Falemos de Casas envolveu 154 357 visitantes e participantes. Este foi também o ano em que Trienal lançou duas iniciativas: o Serviço Educativo, com o intuito de alcançar novos públicos, e os Projetos Associados, um convite aberto à comunidade criativa para apresentar projetos independentes, como parte da Trienal. Um dos destaques do programa foi o evento de encerramento, uma conferência de Jacques Herzog do atelier ​​Herzog & De Meuron, que esgotou Aula Magna.

2007 Vazios Urbanos

www.trienaldelisboa.com/2007

A primeira Trienal teve lugar em 2007 (31 Maio - 31 Julho). Sob o tema Vazios Urbanos, a edição centrou-se no fenómeno de rarefação ou ruptura urbana gerada por processos de decadência e degradação física e social em áreas da cidade. O Curador Geral e arquiteto José Mateus trabalhou em conjunto com uma equipa de 23 curadores nacionais e internacionais. A Trienal assumiu-se como o primeiro grande evento dedicado à arquitetura, programado para ocorrer em intervalos regulares. O evento ressoou nos principais circuitos mundiais, através da escala que assumiu, da sua capacidade de mobilizar e de gerar um debate global na área da arquitetura e da cidade.

Vazios Urbanos apresentou quatro pólos de exposições, uma conferência internacional, um lounge e cinco concursos. O programa mobilizou um total de 52 000 pessoas, entre participantes e visitantes.

La Biennale di Venezia

HOMELAND | News from Portugal

 

Comissário: Pedro Campos Costa

Produção: Trienal de Arquitectura de lisboa

Organização: Secretaria de Estado da Cultura- Direção Geral das Artes

A Representação Oficial de Portugal na 14ª Bienal Internacional de Veneza é um jornal.

Um dispositivo expositivo não convencional, que possibilita diferentes leituras, formas de divulgação de conteúdos e diferentes níveis de leitura e perspectivas sobre a mesma temática. Permite assumir um registo jornalístico, de abordagem de temas complexos de formas mais directas sem deixar de ser reflexivo sobre os desafios que a arquitectura enfrenta no nosso país.

 

 

O jornal Homeland, News from Portugal , que terá três edições com 165.000 exemplares de distribuição gratuita ao longo do período de duração da Bienal (Junho a Novembro), será o veiculo de informação dos conteúdos originais produzidos para a Representação Portuguesa que pretendem responder ao desafio do Comissário Geral da Bienal de Veneza, o arquiteto Rem Koolhaas, apresentada no manifesto “Fundamentals – Absorving Modernity: 1914-2014, através de reflexão critica sobre a habitação, o campo de excelência da experimentação arquitectónica e elemento determinante e primário da construção urbana e territorial, reflexo social e cultural de quem a habita.

 

O Jornal Homeland irá reportar duas reflexões, uma cronológica onde se pretende perceber através de várias perspectivas e pequenos estudos perceber a evolução da habitação em Portugal e outra mais propositiva sobre 6 temáticas tipológicas com 6 processos urbanísticos que decorrerão durante os 6 meses de duração da Bienal e serão protagonizados por 6 grupos de arquitetos focados em  6 cidades portuguesas Porto, Matosinhos, Loures, Lisboa, Setúbal e Évora sobre  6 tipologias habitacionais:  temporário, informal, unifamiliar, coletiva, rural e reabilitação.

 

 

Este processo critico-reflexivo pretende ser propositivo sobre as práticas urbanísticas vigentes e tem como ambição gerar novas abordagens projetuais e promover contribuir uma ação mais interventiva dos profissionais da arquitetura na construção da sociedade contemporânea.

 

 

Espera-se que esta oportunidade seja utilizada para a reivindicação de novos campos de ação e de intervenção efetiva para os arquitetos em face ao bloqueio presente que em que o exercício da arquitetura se encontra.   

Pedro Campos Costa

Curator

 

 

Distância Crítica

Perante uma crescente falta de distância crítica na arquitetura contemporânea em Portugal versus uma continuada distância crítica entre a arquitetura e o público, a Trienal lança o programa Distância Crítica. Este programa inclui, para além de um ciclo de conferências onde arquitetos convidados são colocados, depois da apresentação de projetos, em diálogo com críticos de arquitetura, também uma série de mesas redondas onde se pretende repensar a influência e o impacto de uma distância crítica na prática arquitectónica portuguesa.

Patrocinador principal: Caixa Geral de Depósitos

 

Distância Crítica #5: KAIROS Conferência de Pezo Von Ellrichshausen
Conferência por Pezo Von Ellrichshausen e conversa com Pedro Gadanho
21 de Junho 2013
19h00, Expaço XL (LX Factory), Lisboa
 

Distância Crítica #4: KAIROS Conferência com Alberto Campo Baeza e Manuel Aires Mateus
13 de Abril 2013
19h00, Expaço XL (LX Factory), Lisboa
galeria de imagens


Distância Crítica #3: Lançamento do livro Revista NU#40. Entrevistas. Antologia Crítica 2002-2012
Conversa com Tony Fretton, Álvaro Domingues e Didier Faustino moderada por Diogo Seixas Lopes e Paulo Providência
21 de Fevereiro 2013
21h30, Culturgest, Lisboa
galeria de imagens
 

Distância Crítica #2: Workshop Critical: Lisbon. Falar à Cidade, Falar com a Cidade
Workshop de uma semana coordenado por Lev Bratishenko, Frederico Duarte e Becky Quintal dedicado à expressão, discussão, escrita e publicação crítica sobre arquitetura.
16 a 21 de Julho 2012
Sede da Trienal de Arquitectura de Lisboa


Distância Crítica #1: Conferência de Kazuyo Sejima
Apresentação de Projetos e conversa com Beatrice Galilee
16 de Novembro 2011
19h, Aula Magna, Lisboa
galeria de imagens
 

Lisboa Open House

Pela primeira vez, Lisboa acolheu o evento internacional Open House em Outubro de 2012. Criado em Londres em 1992, o evento guia-se por princípios simples mas desafiantes: mostrar arquitetura de excelência ao público em geral, suscitando e estimulando o interesse no património edificado.

A estreia do evento registou uma adesão entusiástica do público, que esgotou a totalidade das visitas guiadas e afluiu de forma expressiva aos 54 espaços participantes: ao longo destes dois dias, o evento contou com 13.918 visitas.

Face ao sucesso da primeira edição e as reações colhidas no terreno, entre visitantes e proprietários, a Trienal organizou a segunda edição em 2013 nos dias 5 e 6 de Outubro. O número total de visitas nesta segunda edição foi de 15.731, número que demonstra a consolidação do evento.

Para ser parceiro desta iniciativa contacte:
Sara Battesti
+351 21 346 7378
+351 96 234 0165


galeria de imagens das edições de 2012 e 2013

AA Visiting School Lisbon

www.aaschool.ac.uk/STUDY/VISITING/lisbon

2 a 12 de Abril 2013

A Architectural Association (AA), no contexto do seu programa de Escolas Visitantes, vai pela primeira vez abrir um curso para estudantes de arquitetura e jovens profissionais em Lisboa. Ao longo de 11 dias, a Architectural Association Visiting School Lisbon (AAVSLX), organizada em colaboração com a Trienal de Arquitectura de Lisboa, vai oferecer os métodos de ensino e aprendizagem característicos da AA, reunindo um grupo internacional de estudantes com professores altamente credenciados.
 

O programa da AAVSLX inclui aulas, um projeto criativo, estudo de locais urbanos, palestras e uma apresentação final perante um painel de convidados. Os alunos vão receber formação em técnicas de projeto avançadas - como a modelação paramétrica - atualmente na vanguarda da inovação em arquitetura, e cruciais para a competitividade profissional no futuro próximo. Segundo João Bravo da Costa, Diretor da AAVSLX: “Para além de facultar habilitações técnicas, o curso vai colocar essas habilitações no contexto da cidade e das suas questões reais. Acreditamos que questões reais e problemas reais são o estímulo mais forte à inovação significativa”.

Os Amigos da Trienal têm 20% de desconto na inscrição do workshop.


Sobre a AA
A Architectural Association (AA) é a escola de arquitectura mais antiga do Reino Unido, e a única independente que permanece no país. Ao longo dos anos, consagrou-se como um ambiente unicamente diverso e fértil para a aprendizagem de arquitetura e expansão das suas fronteiras criativas. Gerações recentes de arquitetos como Ben van Berkel, Peter Cook, Zaha Hadid, Rem Koolhaas, Cedric Price e Richard Rogers têm-se apoiado no legado de inovação da AA para inspirar e influenciar a arquitetura contemporânea a nível mundial.

Programa Intervalo

No período que medeia entre cada edição da Trienal tem lugar o programa Intervalo. Conjugando eventos de grande notoriedade que apelam a uma audiência alargada, a par de workshops e conferências dirigidos a públicos especialistas, Intervalo prolonga a ressonância de cada edição da Trienal. Na fase de pré-evento, gera expectativa e atenção crescentes em torno deste, à medida que desvenda as suas temáticas centrais, abrindo o diálogo à participação generalizada. Após o evento, age como instância crítica, analizando alguns dos projetos e propostas programados.

Serviço Educativo

Em funções desde 2010, a nossa missão é a de estabelecer uma relação estreita e significativa com os diferentes públicos em torno das práticas espaciais contemporâneas e a arquitetura. Assumindo um papel mediador entre a comunidade e a Arquitetura, o Serviço Educativo constitui-se como laboratório de experimentação, com atividades para todas as idades e adaptadas às necessidades dos participantes. O debate, a reflexão e a criatividade são os seus pontos de partida fundamentais. Venha participar connosco!
 

ATIVIDADES NO PALÁCIO

A Cidade que muda.
3º ciclo Ensino Básico e Ensino Secundário

A nova morada da Trienal encontra-se num dos bairros mais antigos de Lisboa, vem descobrir a sua história e evolução, trabalhando conceitos como a micro-cidade, a cidade real, de jardim e de betão, a cidade religiosa, social, a cidade histórica e ameaçada, a cidade por vir. O objetivo é o de construir colectivamente visões e narrativas de uma cidade do futuro, um urbanismo imaginário, partindo da envolvente do palácio - o Campo de Santa Clara - sediado numa das mais carismáticas colinas da capital.


O Palácio pode ser assim!
1º e 2º ciclos Ensino Básico

Historicamente os palácios são associados ao poder imperial e governamental ou às residências reais, mas também escolas, embaixadas, sociedades de música. Esta atividade servirá para pensar nas funções contemporâneas do Palácio e no modo como têm sido adaptadas às necessidades atuais. Convidamos a desenhar uma estória em que as leis são a ficção e a fantasia. Se pudessem ocupar o nosso palácio que destino lhe atribuiriam? Que experiências arquitectónicas imaginariam, no seus salões, jardins e escadarias? Tem quintal? Dá para jogar futebol? Tem festas todos os dias?


Visitas

Para explorar a herança histórica e arquitetónica do edifício, propomos visitas ao Palácio Sinel de Cordes, que podem ser complementadas com um atelier de acordo com a faixa etária e interesses de cada grupo.

Duração: 1H30
Participantes: Min 15 / Máx 20
Preço: 2,00€ por participante
marcação: edu@trienaldelisboa.com


BOA VIZINHANÇA

Procurando nutrir uma boa relação com a comunidade vizinha nomeadamente através das associações locais, escolas, profissionais das áreas artísticas, serviços, etc., dinamizamos atividades criativas entre eles e o público em geral, explorando temas e práticas da arquitetura, aproveitando a diversidade local de talentos e aptidões desses agentes locais

Peça a Peça
Em parceria com o Espaço Santa Casa, esta atividade ofereceu um enunciado original aos utentes sénior dos Centros Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Ao potenciar a troca de saberes e experiências em torno da ação social e da disciplina da arquitetura, um dos objectivos é criar oportunidades de formação aos animadores da SCML. Reutilizando sacos da edição de 2010, criam-se peças únicas e originais. Interpretando criativamente edifícios ou estruturas arquitectónicas, a partir de um sistema de cores e formas geométricas. Concepção: Trienal de Arquitectura de Lisboa em colaboração com vivóeusébio.


 

OPEN DAY ABROAD

Querendo exercer o papel de anfitriã para assuntos que debatem a prática espacial e a arquitetura e estimular o intercâmbio entre escolas portuguesas e estrangeiras, o intuito deste programa  é oferecer um espaço de desenvolvimento de projetos e workshops contextualizados nos temas e conteúdos da próxima edição da Trienal, Close, Closer. Estas sessões serão coordenadas por arquitetos, teóricos, professores, nacionais e internacionais que produzirão um enunciado específico para cada encontro, que depois poderão ser partilhados com o público em geral.


Marcações e contactos:
Marcar até 7 dias antes da realização da atividade.
De Segunda-feira a Sexta-feira, das 10:00 às 17:00
+351 93 504 0151
+351 21 346 7378
edu@trienaldelisboa.com

Observações:
A confirmação será comunicada num prazo de 48h. Os visitantes individuais serão integrados em grupos de visita mediante disponibilidade.

Em caso de desistência da atividade não haverá lugar ao reembolso do valor pago, poderá no entanto remarcar a atividade mediante disponibilidade.

Newsletter
OK