Saltar para o conteúdo principal
Trienal de Arquitectura de Lisboa

Sobre

Sobre

O Open House Lisboa oferece a um público alargado o livre acesso à arquitectura da cidade. Durante um fim-de-semana, e através de um roteiro novo todos os anos, celebra os melhores exemplos de arquitectura um pouco por toda a cidade, dos espaços privados aos públicos, contemporâneos ou históricos. Promove-se um diálogo e uma aproximação à arquitectura e ao desenho do espaço de referência que sustentam uma cidade vibrante para viver, trabalhar e aprender, através de visitas a espaços habitualmente inacessíveis ao olhar do público, percursos urbanos desvendados por especialistas e ainda passeios sonoros que pode fazer em qualquer altura. Com uma grande variedade de espaços e os programas Júnior, Plus e visitas acessíveis, pode escolher o que mais apele à sua curiosidade, interesse ou conveniência de localização. Está nas suas mãos!

Os Caminhos da Água - Comissariado: Baldios, Arquitectura Paisagista.

O estuário do Tejo, vasto mar interior protegido e navegável, surge, nas palavras de Orlando Ribeiro, como lugar predestinado a uma ocupação. Por via desta história natural comum, ambas as margens foram-se transfigurando em portos, cidades, formas de arquitectura – lugar(es) de chegada, partida, troca, defesa, travessia. O Tejo como porta para um horizonte simultaneamente longínquo e fugaz.

As linhas de água, (per)cursos naturais que convergiam para o Tejo, foram dando lugar às principais artérias que impulsionaram o crescimento de ambas as cidades para cotas mais elevadas. Entender esta genética impulsionada pela água é essencial para compreender as cidades como resposta à natureza dos lugares. A história do Tejo e os seus afluentes confunde-se com a biografia de duas cidades e faz parte do seu metabolismo quotidiano, configurando rotas de atravessamento e de conexão entre os lugares que as compõem. Palco de transformações contemporâneas e ancestrais, é na relação com a água enquanto recurso vital que o futuro das cidades terá de passar.

A 10ª edição procura mostrar este vínculo entre água e cidade, convidando a percorrer o Tejo e os seus vales como rotas para entender Lisboa e Almada e as suas arquitecturas. Viagens a várias velocidades, de barco, de bicicleta e a pé, acompanhadas por quem já reflectiu, estudou e interveio sobre esta paisagem estuarina.

Como Funciona

O OHL é um programa de visitas, com duração variável, ao longo de um fim-de-semana. A tónica é colocada em projectos contemporâneos, e o roteiro abrange várias tipologias de espaços com diferentes usos e funções.

Para além das visitas ao interior dos edifícios, também fazem parte do programa:

  • percursos urbanos a pé acompanhados por especialistas
  • passeios sonoros orientados por narrações, por vezes com cariz mais histórico ou poético, que pode pode descarregar para o dispositivo móvel e fazer quando lhe for mais conveniente

As visitas são todas gratuitas, algumas com reserva prévia, e com três formatos à escolha: livres, acompanhadas por especialista ou acompanhadas pelo voluntariado que constitui a cara deste evento anual.

No site do OHL pode consultar:

  • a lista de espaços disponíveis para visita, saber os horários de cada um deles e fazer a sua reserva (quando necessário) uma semana antes de começar o evento
  • o Atlas com a colecção de espaços que participaram ao longo de todas as edições que já se realizaram

Em espaços seleccionados realizam-se eventos Plus para enriquecer a experiência da visita com concertos, projecções, performances, exposições, instalações ou workshops. O programa Júnior oferece desafios e actividades para os mais novos e um programa de acessibilidade adaptado a pessoas cegas ou com baixa visão, pessoas surdas ou com deficiência cognitiva.

História

Fundada em 1992 por Victoria Thornton, a rede Open House Worldwide conta hoje com 50 cidades por todo o mundo, como Londres, Nova Iorque, Buenos Aires, Lagos ou Seul, com cerca de dois milhões de visitantes só no ano de 2019. Em Lisboa, desde 2012 que a Trienal torna espaços de diferentes naturezas acessíveis ao público: monumentos, teatros, casas privadas, escolas ou igrejas, criando oportunidades para descobrir os locais que demonstram o papel decisivo da arquitectura na vida das pessoas e exemplificam o valor do património edificado. Em 2015 e 2016, a Trienal lançou ainda o Open House Porto envolvendo a Casa da Arquitectura. Sempre à procura de novas formas de juntar mais pessoas à experiência de turista na própria cidade, o OHL 2020 estreou um novo formato adaptado ao contexto pandémico, propondo uma reinterpretação da capital com passeios sonoros guiados pelo imaginário de lisboetas muito especiais. Em 2021 o Open House navega até à margem sul do Tejo e alarga o território a Almada, com espaços e percursos que seguem as linhas de água das duas áreas urbanas sublinhando o papel do rio.

Organização

A Trienal de Arquitectura de Lisboa organiza o OHL desde 2012, em parceria com a EGEAC desde 2015.

A Trienal é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é investigar, dinamizar e promover o pensamento e a prática da arquitectura. A cada três anos, realizamos um grande fórum de debate, reflexão e divulgação que cruza fronteiras disciplinares e geográficas. Organizamos também os ciclos de conferências de arquitectura e eventos no pólo cultural onde estamos sediados — o Palácio Sinel de Cordes.

Favoritos
Animação de Carregamento