Saltar para o conteúdo principal
Trienal de Arquitectura de Lisboa
© Fundação José Saramago

Casa dos Bicos

  • Autores Originais:
  • Francisco de Arruda
  • (1523)

  • Intervenções:
  • Manuel Vicente ,
  • José Daniel Santa-Rita
  • (1981)
  • João Santa-Rita
  • (2011)

Ocupação prevista: BaixaOcupação prevista: Baixa

Na zona ribeirinha, próxima do recentemente reabilitado Campo das Cebolas, mas completamente integrada entre o antigo e irregular assentamento de Alfama e o regular plano da Baixa Pombalina, a Casa dos Bicos foi mandada construir por Brás de Albuquerque, filho do primeiro Vice-Rei da Índia, entre 1521 e 1523. Este edifício é conhecido pela fachada singular revestida por uma malha de “pontas de diamante”, designadas de forma comum por “bicos”, inspirada em modelos renascentistas italianos. O terramoto de 1755 deixou a casa bastante degradada. Mais tarde, depois de uma reconstrução parcial, começou a albergar um comerciante de bacalhau, ligação que perdurou até ao século XX. Em 1983, por ocasião da XVII Exposição Europeia de Artes, Ciência e Cultura, o projecto de Manuel Vicente e Daniel Santa-Rita recupera a volumetria global e propõe, a partir de documentação histórica, um ensaio sobre a memória daquilo que havia desaparecido. Sujeita a obras de recuperação entre 2008 e 2012, alberga hoje a sede da Fundação José Saramago e o núcleo arqueológico da Casa dos Bicos.

Morada
Rua dos Bacalhoeiros, 10
Obter Direcções

Transportes Públicos
Autocarro: 28E, 206, 735, 737, 759
Metro: Terreiro do Paço

Tipologia
Equipamentos

Fotografia
Permitido fotografar

Sábado 10h–17h30 (Visitas Livres)

Por voluntário
Cada 30 minutos*
*excepto quando existe visita por especialista

Por especialista
12h por João Santa Rita e 14h por Sérgio Letria

Lotação
Máximo 20 pessoas

Animação de Carregamento