Saltar para o conteúdo principal
Trienal de Arquitectura de Lisboa
© FG+SG
© FG+SG
© FG+SG

Núcleo Arqueológico do Castelo de São Jorge

  • Autores Originais:
  • Carrilho da Graça Arquitectos
  • (2010)

Num promontório intramuros, a Praça Nova do Castelo assume-se como lugar de beleza ímpar, com um domínio visual que se estende das muralhas do castelo ao estuário da cidade no horizonte. A primeira acção desta intervenção no Castelo de São Jorge foi a delimitação clara do lugar arqueológico, através de uma membrana de aço corten. Abordando os temas da protecção, revelação e legibilidade, a intervenção delimita o perímetro anteriormente ocupado por construções islâmicas do século XI, enquanto reforça simultaneamente o sentido de visão panorâmica da praça. A reconstrução da volumetria e da espacialidade das casas islâmicas aconteceu a partir de conjecturas feitas por arqueólogos e historiadores, numa solução declaradamente abstracta e cenográfica, onde as paredes brancas encenam a antiga espacialidade doméstica de duas habitações, que se deixam identificar por troços de paredes ainda visíveis. A protecção daquilo que resta destas estruturas domésticas e dos seus frescos foi encarada como uma oportunidade de reprodução da sua experiência espacial. São legíveis uma série de compartimentos independentes, organizados em torno de um pátio central tornando possível a introdução de luz e ventilação na habitação protegida através de uma cobertura translúcida que filtra a luz solar. O projecto, do qual o paisagista João Gomes da Silva é co-autor, foi distinguido em 2010 com o Piranesi Prix de Rome, reconhecendo a clareza e qualidade com a qual esta intervenção relaciona arquitectura e arqueologia, volumetria e paisagem.

Tipologia
Espaços de Lazer, Equipamentos

Fotografia
Não é permitido fotografar

Favoritos
Animação de Carregamento