MENU
PTEN
Trienal de Arquitectura de Lisboa
Data
28 MAI 2018 - 07 JUL 2018

Bar no Jardim 9 de Abril, 2016, aspa © Fernando Guerra, FG+SG

Lisbon Acts

Belgrado > Rijeka Croácia

A exposição Lisbon Acts foi produzida pela Trienal de Arquitectura de Lisboa e está em exposição em Rijeka, na Croácia, de 28 de Maio a 7 de Julho. Durante este período, vai ser possível visitar, no antigo edifício da fábrica IVEX, formatos múltiplos de pensar a cidade. Em paralelo com Lisbon Acts, acontecem lançamentos de livros, dinamizados pela cidade croata, Capital Europeia da Cultura 2020. Lisbon Acts foi a exposição, pela primeira vez, na BINA - Semana Internacional de Arquitectura de Belgrado, a 10 de Maio de 2018, nesta celebração da década de existência.

Os últimos dez anos na cidade de Lisboa. Esse foi o nosso ponto de partida. Escolhemos seis estúdios de arquitectura que estabeleceram os seus estúdios em Lisboa durante esse período de tempo: Aspa, Barbas Lopes, Can Ran, Miguel Marcelino, PLCO e Site Specific. E escolhemos um primeiro trabalho significativo, construído na cidade. Pedimos aos arquitectos desenhos sem palavras, desenhos destes projectos, que se podem ver ao longo desta exposição. 


Uma torre gigantesca, um bar num jardim, uma intervenção numa estação de barco fluvial, um centro de meditação, uma igreja e um apartamento privado - decidimos emprestar esta selecção diversificada de obras arquitectónicas ao mundo ficcional das histórias, pelo que, nesta exposição pode também ler as histórias da escritora Patrícia Portela no livro Floraennui, pode ver as fotografias de Catarina Botelho, o Projecto Filomena e ver o filme de Pedro Cabeleira, Filomena. 

A Trienal de Arquitectura de Lisboa (2007-2018) também nasceu há dez anos, e testemunhámos que a nossa antiga cidade tem sido palco de um processo de constante evolução ideológica, social, económica e constructiva. A cidade molda as nossas vidas e a cidade é moldada pelas nossas vidas: os espaços construídos não existem excepto para as pessoas que neles habitam, e acumulam significado e significado numa chamada e resposta activa e efémera aos momentos ricos das nossas próprias experiências. Esta exposição mostra diferentes visões ficcionais em resposta a estas experiências, ao mesmo tempo que os arquitectos continuam a moldar a nossa cidade, tecendo o seu tecido enquanto vivemos nela.

Lisboa actua. Actue connosco. 

9 DE ABRIL DE 2016 
ASPA


Este jardim tem um miradouro com vista panorâmica sobre o rio Tejo e está rodeado por numerosos edifícios de importância histórica para Lisboa. Apresenta-se como um promontório num espaço verde cheio de tradição, aberto ao rio e aos seus navios, com uma vista deslumbrante para a margem direita do Tejo. Situada na cobertura de um edifício existente que abrange a mudança de nível entre o jardim e o plano inferior da Avenida 24 de Julho, esta barra/terraço é construída como uma estrutura de um só piso. O seu carácter efémero, leveza dos materiais, transparência, permeabilidade e reflexão promovem e preservam as vistas existentes, assegurando que a estrutura não se torna um obstáculo.

Arquitectura: José Maria Cumbre + Nuno Sousa Caetano
Colaboração : Carolina C. Freire
Engenharia: Energia Técnica, PRPC Engenheiros
Empreiteiro: Salvaria, Lda
Área : 308.8 m2
Foto: Fernando Guerra - FG+SG

Biografia: Aspa


José Maria Cumbre (Lisboa, 1980). Frequentou a Universidade do País Basco em São Sebastião através do programa Erasmus. Licenciado em Arquitectura pela Universidade Lusíada de Lisboa em 2003. Estagiou e colaborou no Estúdio Matos Gameiro + Carlos Crespo Arquitectos em 2004 e 2005. Em 2006, criou o estúdio aspa com Nuno Sousa Caetano.

Nuno Sousa Caetano (Lisboa, 1978). Licenciado em Arquitectura pela Universidade Lusíada de Lisboa em 2003. Colaborador do atelier Trabalhos Forçados em 2000 e 2001. Estagiou e colaborou no atelier Duarte Ramirez + Pedro Caetano de Carvalho Arquitectos entre 2001 e 2005. Em 2006, criou o estúdio aspa com José Maria Cumbre.

FPM41, 2018 
Barbas Lopes Arquitectos


Em 2015, Barbas Lopes foi distinguida com o projecto de um edifício de escritórios e zonas envolventes no centro empresarial de Lisboa. A proposta foi desenhar um edifício intemporal, claro e suficientemente flexível para fazer face a qualquer tipo de eventualidades, bastante comuns a esta escala. A racionalidade constructiva, a flexibilidade da disposição, o conforto ambiental e o bom desempenho energético foram aspectos centrais do projecto. Apesar de ser privado, um edifício de escritórios tem uma forte expressão pública. Esta consciência foi a chave para o design do edifício e da paisagem envolvente, dos quais são exemplo a fachada modular feita por medida, a localização do átrio com um pé direito alto, a praça pública plana ou a hibridização de propriedades privadas e públicas. 

Cliente: Edifício 41
Arquitectura: Patrícia Barbas, Diogo Lopes
Colaboradores: Catarina Sousa, Guillaume Guisan, Guilherme Oliveira, Gonçalo Soares, Laurianne Ferreira, Margarida Esteves, Ricardo Lima, Sérgio Catumba, Tania Depallens, Vítor Sá
Arquitectura Paisagista: HAHA Arquitectura Paisagista
Engenharia: JSJ e EACE
Contratante: Mota-Engil/Casais
Área: 22.500 m2 Foto: Nuno Cera

Biografia: Barbas Lopes Arquitectos

Barbas Lopes Arquitectos foi fundado em 2006. Os projectos realizados ou em desenvolvimento incluem edifícios públicos e privados, habitações unifamiliares, projectos de exposições e interiores. O atelier também colabora com arquitectos como Peter Märkli, Promontório Architects, Manuel Aires Mateus e Gonçalo Byrne. O seu trabalho foi nomeado para os Icon Awards 2012, Designs of the Year 2013 e Mies van der Rohe 2013. 

Patrícia Barbas (n.1971, Luanda). Licenciada em Arquitetura pela FAUTL, Lisboa. Colaborou com Aires Mateus, João Pedro Falcão de Campos e Atelier Pedro Silva Dias (Design). Coordenador do projecto para Gonçalo Byrne (1998-2000) e Promontório Arquitectos em Salvador da Bahia, Brasil (2005-2006). Professor convidado da Carleton University, Ottawa (2013, 2015-2016). Membro do júri do FAD Awards 2016.

Diogo Lopes (Lisboa, 1972-2016). Licenciado em Arquitetura pela FAUTL, Lisboa. Doutoramento pela ETH Zurique. Professor convidado na Carleton University, Ottawa (2013, 2015-2016) e DARQ.FCTUC (2011-2013). Foi Diretor da revista Prototypo, Diretor e Curador-Chefe com André Tavares do JA-Jornal dos Arquitetos e da Trienal de Arquitetura de Lisboa 2016. As suas publicações incluem Cimêncio (Fenda Edições, 2001) com Nuno Cera e o livro Melancolia e Arquitectura: Sobre Aldo Rossi (Park Books, 2015). Posteriormente, foi publicada a versão portuguesa do livro (Orfeu Negro, 2016) e galardoada com o segundo prémio da AICA 2016.

SEA LEVEL, 2011 
Can Ran


Vinte tons de azulejos que vão do branco, ao azul e ao preto. O efeito cromático desta intervenção na cerâmica colocada no tecto e nas colunas do átrio da Estação Sul e Sudeste é dado por esta variação de cores, que se funde com a arquitectura ao mesmo tempo que a realça e enfatiza. O desenho criado pelos azulejos lembra-nos as ondas do mar, com as suas formas circulares que provêm das colunas. Desta ligação e reflexão nasce um espaço virtual, no qual a passagem de pessoas e a variação da luz é parte integrante da obra que está sempre em contínua interacção e mutação.

Cliente: Metropolitano de Lisboa
Intervenção: Catarina Almada Negreiros e Rita Almada Negreiros
Arquitectura: Atelier Daciano da Costa
Área Coberta: 480m2
Foto: Daniel Blaufuks

Biografia: Can Ran Arquitectura


"A escala e o escopo de nossos projetos são diversificados. Da habitação à renovação arquitectónica, das instalações públicas e privadas ao espaço público, da iluminação ao design de azulejos de cerâmica. Todos os nossos trabalhos foram desenvolvidos através da exploração de quadros metodológicos e processos criativos semelhantes, que desafiam múltiplas investigações de design para procurar novas soluções e produzir resultados espaciais e arquitectónicos como uma síntese multidisciplinar.

Catarina Almada Negreiros e Rita Almada Negreiros fundaram os Ateliers de Santa Catarina em 2000. Os Ateliers de Santa Catarina são um centro criativo baseado em Lisboa que promove uma participação interdisciplinar activa entre arquitectos, artistas e designers.

Catarina Almada Negreiros (CAN). Licenciada em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura de Lisboa. FAUTL, Portugal, 1996. MARÇO II, GSD, Harvard, EUA, 2002. Mestrado em Comunicação e Arte, UNL, Portugal, 2011. Estágio de Arquitectura no MUF:ART/ARCHITECTURE, Londres, 1997-99. 

Rita Almada Negreiros (RAN). Licenciada em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa. Universidade Lusíada, Lisboa, 1994. Estagiária de Arquitectura na Wilmotte (Paris) 1994-97. Estágio de Arquitectura no BCQ Arquitectos (Barcelona) 1997-98. Estágio de Arquitectura no Jordi Castel (Barcelona), 1998-99. 


Apartamento Telheiras, 2016

Miguel Marcelino


Este apartamento, construído nos anos 80, apresentava problemas típicos da arquitectura doméstica portuguesa da segunda metade do século XX: tectos baixos em toda a casa, espaços subdivididos, cozinhas compridas e estreitas, corredores sinuosos e numerosas saliências de pilares e vigas que revelam um conflito não resolvido entre estrutura e arquitectura. A intervenção procurou reduzir a habitual segmentação entre cozinha, hall, corredores e sala de estar, criando um espaço fluido com grandes campos visuais e possibilidades mais ricas de apropriação. Elementos estruturais salientes de vigas e pilares têm cimento re-exposto e juntamente com os novos elementos de madeira contribui para uma nova atmosfera, com as qualidades e o prazer de viver num apartamento, numa cidade.

Arquitectura: Miguel Marcelino
Fabricantes: Artemide, Flos, Blum, JNF, Osvaldo Matos SA, Projecto Mosaico:
Área: 115,0 m2 
Foto: Arquivo Miguel Marcelino

Biografia: Miguel Marcelino


Miguel Marcelino (Portugal, 1981), arquitecto (UAL, 2005), vive e trabalha em Lisboa. Estudou música de 1993 a 1998 no Instituto Gregoriano de Lisboa. Trabalhou com Herzog & de Meuron (Suíça, 2003/04) e Bonell & Gil (Espanha, 2005/07), antes de fundar o seu próprio atelier em 2008, ganhando nesse ano o seu primeiro concurso público. Em 2014, é convidado a integrar a representação oficial portuguesa na Bienal de Arquitectura de Veneza. Em 2015, publica "Extrospecção", uma viagem pessoal através de dez temas intemporais da arquitectura. A obra edificada de Miguel Marcelino inclui a Casa dos Três Pátios (2012), Casa sobre um Armazém (2012), Escola Fonte de Angeão (2014) e o Museu de Música Mecânica (2016). 

Centro de Meditação e Yoga, 2013 

PLCO Arquitectos

Escondido num espaço de adega numa área muito discreta na margem ocidental de Lisboa, encontra-se um espaço feito para a meditação. Duas portas marcam os diferentes programas do edifício em questão: uma dá acesso privado aos alojamentos; a outra abre-se para uma sucessão de espaços a diferentes níveis num percurso descendente que termina numa varanda com vista para o parque florestal de Monsanto - o Centro de Meditação. A iluminação é um elemento decisivo para criar os vários ambientes interiores e apagar a fronteira entre interior e exterior. O espaço de meditação permite que a paisagem exterior e os espaços interiores coexistam num lugar comum.

Cliente: Associação Upaya
Arquitectura: Pedro Oliveira
Colaboradores: Carolina Fernandes, Bernardo Pereira Coutinho
Engenharia: PRPC Engenheiros, FTD, Natural Works, Blueorizon, Energia Técnica, Campo de Água
Construção: Paviana Construções
Área Coberta : 550m2
Foto: Fábio Silva

Biografia: PLCO Arquitectos

Estúdio fundado em 2009 em Lisboa por Pedro Lagrifa Oliveira, que desenvolve trabalhos em diversas escalas e programas, públicos e privados, sempre cruzando temas, ancorados em diferentes fontes de conhecimento que são convocadas em função das especificidades de cada projecto. A PLCO colabora frequentemente com o artista Gilberto Reis, com quem partilha uma relação especial no que respeita a uma forma de pensar e agir sobre a realidade. Pedro Oliveira tenta encontrar para cada projecto a forma mais justa de habitar um lugar, na relação que ele estabelece - ou não - com o espaço onde ele é construído. É através da construção e da sua expressão que a arquitectura se materializa e se revela.

Capela do Divino Mestre, 2015 
Arquitectura específica do local

O resumo do projecto para esta capela, ou pequena igreja, construída numa casa particular para pessoas particulares - a irmandade do Instituto Missionário Pio Sociedade de São Paulo, foi baseado em princípios que não coincidem necessariamente. Deveria ser o espaço central de uma casa de muitos lares; um espaço de oração e de comunicação; um lugar de intimidade e de reunião. O projecto reutiliza o edifício existente e pretende dar-lhe um novo significado. Isto é feito através de um processo de desenho austero e rigoroso, que se baseia na simplicidade dos volumes, na iluminação natural e nas qualidades inerentes dos materiais propostos. A estrutura de cimento é retida, nua e imperfeita, mas adequada, e de alguma forma erguida pelo novo contexto. 

Cliente: Instituto Missionário Pia Sociedade São Paulo
Arquitectura: Patrícia Marques e João Paulo Costa
Colaborador: Simão Botelho
Obra de arte: Bartolomeu de Gusmão
Comunicação: P-06 Atelier
Consultores: Paulo Pires do Vale e Nuno Gusmão
Construção: Fuste - Construções e Imobiliária, S.A.
Fotografia: do mal o menos (Eduardo Nascimento e João Fôja)

Biografia: Arquitectura Específica do Sítio

Patrícia Marques (n.1975, Lisboa) 

Licenciada em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa (1999) e mestre em Estudos Curatoriais (tese "Arquitectura em exposição") pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (2009). Enquanto estudante, frequentou a École Nationale Supérieure d'Architecture de Paris La Villette (1998) com uma bolsa Erasmus e ganhou o prémio - Arquitectura Jov'Arte 97- da Câmara Municipal de Loures. Iniciou a actividade profissional em 1999, no escritório holandês De Zwarte Hond, em Roterdão e em 2000 inicia a colaboração com Aires Mateus e Associados, em Lisboa. Em 2009, começa a trabalhar como freelancer com várias colaborações com outros arquitectos, engenheiros, arquitectos paisagistas, designers e artistas. Em 2010 funda o site specific - arquitectura, Lda que mantém os mesmos princípios de colaboração interdisciplinar e onde tem desenvolvido projectos em diferentes áreas de trabalho. Coordenadora do Open House Lisboa em 2012 e 2013, programado pela Trienal de Arquitectura de Lisboa. Vencedora do prémio FAD 2015 - interiores com a Biblioteca de S. Paulo, Loures.

J. Paulo Costa (n.1973, Lisboa) 1993/4 AR.CO Centro de Arte e Comunicação Visual - design arquitectónico i /ii 1993/98 Licenciado pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa 1999 Bolseiro académico no gabinete Kees Christiansen Architects and Planners em Roterdão, Holanda 1999/2000 Colaboração no OMA - Office for Metropolitan Architecture em Roterdão, Holanda 2000 Colaboração para um concurso com Inês lobo/Pedro Domingos + Ricardo Bak Gordon/Carlos Vilela, Lisboa 2000/2012 Colaboração com João Luis Carrilho da Graça, como chefe de equipa 2012/- phd em Arquitectura - Interior - Novos Territórios, da Universidade de Évora ( em curso). 2015 Vencedor do prémio FAD 2015 - interiores com a Biblioteca de S. Paulo, Loures 2012 Associado do Site Specific - Arquitectura, lda 2015 Vencedor do prémio FAD 2015 - interiores com a Biblioteca de S. Paulo, Loures

Floraennui, contos, 1-66pp. 2018 Patrícia Portela

Mulheres que atravessam o rio, mulheres que limpam, mulheres que dão notícias, mulheres que cuidam do nosso lixo. São muitas e talvez sejam todas nós. Patrícia Portela pegou alguns dos personagens que escreveu para a sua crónica mensal no jornal Letras, Na hora de comer o treinador,  imaginou-os nos prédios que propusemos, no nosso tempo. O título destas histórias é retirado de um termo técnico do século XIX, explicado no início deste livro. Se ainda não o fez, vá até o início e comece a ler. 

Biografia: Patrícia Portela


É uma escritora e performer nascida em 1974, e vive entre a Bélgica e Portugal. Estudou cenografia e figurino em Lisboa e em Utrecht, cinema em Ebeltoft, Dinamarca, e Filosofia em Lovaina, Bélgica. Desde 2003 que trabalha nas suas próprias performances e instalações em colaboração com artistas internacionais. Conquistou reconhecimento nacional e internacional pelo seu trabalho inusitado e é considerada uma das mais ousadas artistas e escritoras inovadoras da sua geração. Ganhou o Prémio Revelação em 1994 pelo seu trabalho criativo em performance e cinema, o Prémio Teatro na Década pelo T5 em 1999, o Prémio Fundação Gulbenkian Madalena de Azeredo Perdigão pela performance Flatland I em 2004 e foi uma das 5 finalistas do Prémio Sonae Media Art 2015 com a sua instalação Parasomnia, entre outros prémios. Foi convidada a participar no prestigiado International Writing Program (IWP) da Universidade de Iowa em 2013 e foi a primeira residente literária em Berlim em 2016. É autora de vários romances e contos e é escritora de crónicas do prestigiado Jornal de Letras.

Filomena, curta-metragem, 4:3, 14', 2018 Pedro Cabeleira

Este curta-metragem começa cedo, pela manhã, e acompanha a empregada Filomena durante um dia que promete ser apenas mais um dia chato no trabalho. Mas depois de almoçar com uma pessoa especial e passar uma tarde a limpar com Vanessa, uma jovem colega conversadora, percebemos que, por baixo da pele dela, está escondida uma romântica que não leva o amor como certo. Filomena percorre seis espaços muito diferentes que parecem colocar em perspectiva os seus dilemas interiores.

Director: Pedro Cabeleira
Escritores: Pedro Cabeleira, Diogo S. Figueira
Com: Sandra Hung (Filomena), António Simão (António), Maria Cardetas Melo (Vanessa), Catarina Sousa (arquitecta), Eugénio Madeira (engenheiro), Sérgio Coragem (garçom), Maria João Castelo Branco e Raul Carvalho (casal Le Chat), Dora Carregosa e Maria João Pimentel (clientes Upaya), Ana Valentim (meditadora)
Cinematógrafa: Leonor Teles
Assistentes de Fotografia e Electricistas/maquinistas: Manuel Braga, André Costa
Captura e pós-produção de som: Tiago Raposinho
Set design e guarda-roupa: Montagem Sara Loureiro: Pedro Cabeleira Pós-produção cinematográfica: Rita Lamas
Fotografia de cenário: Catarina Botelho
Produtores: Trienal de Arquitectura de Lisboa, Pedro Cabeleira
Director de produção: Diogo S. Figueira
Assistente de produção: Paulo Carmo
Catering: Joana Rute Carmo

Biografia: Pedro Cabeleira


Nasceu em 1992 em Portugal e licenciou-se em Direcção na Escola de Teatro e Cinema de Lisboa, onde realiza o seu filme de médio formato, "Estranhamento" (2013). Após a licenciatura, fundou a produtora "Videolotion", com Joana Peralta e Marta Ribeiro. "Verão Danado (2017) é a sua primeira longa-metragem.

Projecto Filomena, série fotográfica (6), 2018 Catarina Botelho

De que forma é que os nossos corpos ocupam um espaço, um lugar, uma arquitectura? O que significa filmar ficção? Ou apenas para filmar? Quem está a observar e quem é observado? Durante três dias de filmagens, acompanhei uma equipa de técnicos e actores, através de seis edifícios. Num jogo duplo entre mostrar e esconder, esses lugares foram ocupados durante algumas horas pelos corpos que estavam filmando e pelo material técnico; pelos corpos que foram filmados e pelos objetos que eram necessários para a ficção.

Biografia: Catarina Botelho

Licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa em 2004. Em 2007 frequentou o curso avançado de fotografia da Ar.Co. Frequentou o curso de fotografia do Programa de Criatividade e Criação Artística da Gulbenkian em 2008. Em 2007, ganha o Prémio BES Revelação, expondo o seu trabalho na Fundação de Serralves, Porto. Nesse mesmo ano apresenta a sua primeira exposição individual na Galeria Modulo, Lisboa. Em 2009, apresenta Dias Úteis na Rua Anchieta 31, em Lisboa. Em 2010 é seleccionada para o Plat(T)form 10 no Winterthur Museum e é artista residente na Galeria Budapeste em Budapeste/Cml. Em 2011 é nomeada para o Prémio EDP Novo Artista e em 2012 para o Prémio Europeu de Exposição Fotográfica, a realizar na Haus der Photographie em Hamburgo. Também em 2012 vence o concurso público da Galeria Elba Benitez para a PhotoEspaña. Em 2013, é uma das artistas em residência na FAAP, São Paulo.