Saltar para o conteúdo principal
Trienal de Arquitectura de Lisboa
© Maria Sertorio
© Maria Sertorio
© Maria Sertorio

Feira do Relógio

  • Autores Originais:
  • Câmara Municipal de Lisboa
  • (2005)

Ocupação prevista: BaixaOcupação prevista: Baixa

O Bairro do Relógio, hoje demolido, era constituído por um conjunto de casas pré-fabricadas, principalmente para realojamento daqueles que moravam na área onde se construíram os acessos à Ponte 25 de Abril, em Alcântara. A maior feira de Lisboa teve, desde os anos 70, várias localizações até à estabelecida em 2005. Desde então, a ocupação do sistema viário do Plano de Chelas, que acontece todos os domingos de manhã, foi infra-estruturada para garantir água, electricidade e blocos sanitários essenciais ao seu funcionamento, mas cuja presença, é nos restantes dias, imperceptível. A relevância económica, social e cultural desta feira ultrapassa as relações de proximidade e supera temporariamente o carácter árido e incompleto daquele lugar, assim como, a segregação urbana das várias zonas construídas de Chelas. Este espaço de permanência, socialização, comércio e lazer foi também celebrado pelo Festival de Arte Urbana, Muro LX 2017, durante o qual os elementos infra-estruturais de maior escala foram alvo de intervenções artísticas nas suas paredes exteriores.

Morada
Avenida de Santo Condestável
Obter Direcções

Transportes Públicos
Autocarro: 755, 794
Metro: Chelas

Tipologia
Comércio e Serviços

Fotografia
Permitido fotografar

Domingo 9h30–14h

Por voluntário
Cada 30 minutos

Lotação
25 pessoas

Favoritos
Animação de Carregamento