Saltar para o conteúdo principal
Trienal de Arquitectura de Lisboa
© Luke Hayes
© Luke Hayes

Palácio Pombal

    Edifício seiscentista de estilo chão, mandado construir por Sebastião de Carvalho e Melo, avô de Marquês de Pombal, foi também conhecido como Solar dos Carvalhos da Rua Formosa, antiga denominação da Rua de O Século. Arquétipo de um solar urbano seiscentista, com três pisos e águas furtadas, foi a residência preferida da família até ao terramoto de 1755. Depois disso, e coincidentemente com a ascensão política de Marquês de Pombal, o Palácio é alvo de um conjunto de obras de remodelação e engrandecimento. Daí resultou a valorização do seu espaço interior através de azulejos, estuques e uma escadaria nobre em pedra com dois patamares. Os tectos de estuque, com representações alegóricas e temas mitológicos, são atribuídos a Grossi, estucador e escultor italiano, e repetem-se em várias salas do palácio juntamente com painéis de azulejos azuis e brancos ou policromos. O edifício actual é propriedade municipal desde 1968 e pertencia a um vasto conjunto palaciano que foi sendo repartido e ocupado por diferentes entidades ao longo dos anos. Resta intacta a parte nobre do Palácio com acesso pelo nº 79 da Rua de O Século, que foi a sede do centro de arte contemporânea Carpe Diem Arte e Pesquisa entre 2009 e 2017.

    Tipologia
    Palácios e Conventos

    Fotografia
    Não é permitido fotografar

    Favoritos
    Animação de Carregamento

    Lisboa ao ouvido

    O Open House Lisboa 2020 é feito de oito passeios sonoros distintos. Uma edição segura, para conhecer Lisboa de forma independente e guiada por oito personalidades da cultura.

    Saber Mais