Saltar para o conteúdo principal
Trienal de Arquitectura de Lisboa
© Francisco Nogueira
© Eduardo Ribeiro
© Francisco Nogueira

Espaço Espelho D'Água

  • Autores Originais:
  • António Lino ,
  • Cottinelli Telmo
  • (1940, 1943)

  • Intervenções:
  • DC.AD ,
  • Victor Vicente
  • (2014)
Fora do Roteiro Actual

Construído no âmbito da Exposição do Mundo Português, em 1940, o projecto original deste edifício foi pensado para a função de cafetaria e restaurante durante o evento. Com uma localização privilegiada, este célebre edifício do modernismo encontra-se rodeado por um amplo espelho de água, que estabelece uma ligação simbólica com o rio. A primeira construção de carácter efémero, com coberturas suportadas por asnas metálicas e revestimentos a chapa de zinco, deu lugar a uma estrutura definitiva. Das inúmeras alterações que foi sofrendo a última, e mais recente, procurou devolver ao edifício as características originais dessa estrutura definitiva. Removeram-se os elementos descaracterizadores, retomou-se a métrica das caixilharias e abriu-se uma grande clarabóia no centro do espaço – como memória do pátio que separava os dois volumes originais – permitindo a entrada de luz. Para adequar o espaço ao novo programa o seu interior reparte-se entre uma zona de restaurante, cafetaria e esplanada, uma área de escritórios e um espaço de galeria de arte e performances musicais. Durante o processo de reabilitação foi descoberta uma singular pintura mural do artista Sol Lewitt, que foi totalmente restaurada para protagonizar o ambiente do restaurante.

Tipologia
Comércio e Serviços

Fotografia
Não é permitido fotografar

Favoritos
Animação de Carregamento